Mulheres da Minha Alma – Isabel Allende

Artigo do blogue

Livros & Saltos

Blog por Anabela Risso

Wook.pt - Mulheres da minha alma

Livro Físico

“Ser mulher significa viver com medo. Todas as mulheres trazem gravado no ADN o medo do homem. Pensam duas vezes antes de fazer algo tão banal como passar à frente de um grupo de homens ociosos.”
(pág. 125)

“Não existe feminismo sem independência económica. Vi-o claramente na minha infância com a situação da minha mãe. As mulheres precisam de ter rendimentos próprios e de os gerir, o que requer educação, capacitação e um ambiente laboral e familiar adequado. Nem sempre é esse o caso.”
(pág. 143)

“A violência contra as mulheres é universal e tão antiga como a própria civilização. Quando se fala em direitos humanos, na prática está-se a falar em direitos dos homens. Quando um homem é agredido e privado de liberdade, é tortura. Se for uma mulher a passar pelo mesmo, chama-se violência doméstica e, na maior parte do mundo, ainda é considerado um assunto privado. Existem países onde matar uma menina ou mulher por uma questão de honra nem sequer é denunciado. As Nações Unidas calculam que, anualmente, são assassinadas cinco mil mulheres e meninas para salvar a honra de um homem ou de uma família no Médio Oriente e no Sul da Ásia.”
(pág. 123)

Isabel Allende - Grupo Editorial Record
Isabel Alende

Isabel Allende Llona é uma escritora chilena nascida a 2 de Agosto de 1942 em Lima, no Peru. É uma das escritoras mais conceituadas e lidas da actualidade e a sua obra é marcada pelas profundas alterações politicas e sociais do Chile que conheceu ao longo da sua vida. A sua obra mais conhecida é A Casa dos Espíritos, de que falámos neste post.

Ao contrário das obras anteriores de Isabel, Mulheres da Minha Alma não é um romance. A autora define esta obra, dentro da própria obra, como uma “conversa informal” e de facto foi isso que eu senti ao longo de toda a leitura: que estava a ter uma conversa informal (e extremamente interessante) com a autora.

Nesta obra fala-se de mulheres (e, de quando em vez, de homens). Fala-se do mundo em que vivemos hoje e do mundo em que vivemos ontem e fazem-se especulações para o futuro. É uma boa leitura para quem não acredita que ainda exista machismo e que as mulheres não tenham direitos iguais.

Admito que adorei. Este livro transformou-se num dos meus preferidos de 2020. É uma leitura fluída e clara e, na experiência de Isabel conseguimos ver a experiência de muitas outras mulheres. É também uma chamada de atenção para tudo o que ainda falta fazer, para todos os passos que as mulheres ainda vão ter de dar para terem realmente os mesmos direitos e usufruirem da mesma segurança que os homens.

Custa um bocadinho assimilar tantas injustiças como as que são faladas nesta obra, mas é este o mundo em que vivemos. E este é sem dúvida um livro inspirador.

Muito, muito recomendado! 5*

Padrão

Lançamentos literários debaixo de olho [Novembro 2020]

Livros & Saltos

O Mapeador de Ausências – Mia Couto

Wook.pt - O Mapeador de Ausências

Diogo Santiago é um prestigiado e respeitado intelectual moçambicano. Professor universitário em Maputo, poeta, desloca-se pela primeira vez em muitos anos à sua terra natal, a cidade da Beira, nas vésperas do ciclone que a arrasou em 2019, para receber uma homenagem que os seus concidadãos lhe querem prestar.
Mas o regresso à Beira é também, e talvez para ele seja sobretudo, o regresso a um passado longínquo, à sua infância e juventude, quando ainda Moçambique era uma colónia portuguesa. Menino branco, é filho de um pai jornalista e sobretudo poeta, e de uma mãe toda sentido prático e completamente terra-a-terra. Do pai recorda o que viveu com ele: duas viagens ao local de terríveis massacres cometidos pela tropa colonial, a sua perseguição e prisão pela PIDE, mas sobretudo, e em tudo isto, o seu amor pela poesia. Mas recorda também, entre os…

Ver o post original 1.639 mais palavras

Padrão

O Homem das Castanhas – Søren Sveistrup

SINOPSE

Uma tempestuosa manhã de Outubro. Num tranquilo subúrbio de Copenhaga, a Polícia faz uma descoberta terrível. No recreio de um colégio, uma jovem é encontrada brutalmente assassinada, e falta-lhe uma das mãos. Pendurado por cima dela, um pequeno boneco feito com castanhas.

A jovem e ambiciosa detective Naia Thulin é designada para desvendar o caso. Com o seu colega Mark Hess, um investigador que acabou de ser expulso da Europol, descobrem uma misteriosa prova sobre «o homem das castanhas», nome com que os media baptizaram o assassino. Existem evidências que o ligam a uma menina que desapareceu um ano antes e foi dada como morta: a filha da ministra Rosa Hartung.

Mas o homem que confessou o assassínio da menina, um jovem que sofre de uma doença mental, já está atrás das grades e o caso há muito tempo fechado. Quando uma segunda mulher é encontrada morta e, junto dela, mais um boneco de castanhas, Thulin e Hess suspeitam de que possa haver uma ligação entre o caso Hartung e as mulheres assassinadas.

Mas qual é a relação entre as duas mortes? Thulin e Hess entram numa corrida contra o tempo. O assassino tem uma missão e está longe de a terminar.

BIOGRAFIA

Søren Sveistrup é o guionista internacionalmente aclamado do fenómeno televisivo The Killing, vencedor de vários prémios internacionais, incluindo um BAFTA, e que foi reproduzido em mais de 100 países.

Mais recentemente, Sveistrup escreveu o guião para o cinema do romance O Boneco de Neve, de Jo Nesbø. Sveistrup fez um Mestrado em Literatura e História na Universidade de Copenhaga e estudou na Danish Film School.

O Homem das Castanhas, o seu primeiro romance, é já um sucesso internacional, tanto de vendas como de crítica, e os seus direitos foram vendidos para 25 países.

Padrão

O melhor bacalhau gratinado com camarão. Ninguém resiste! — ncultura

Se é fã de bacalhau, tem de experimentar estas super receitas no forno. Veja as melhores receitas de bacalhau gratinado com camarão! Há muitas pessoas que não dispensam um bom prato de bacalhau. Se é o seu caso e o da sua família, então não pode deixar de experimentar as seguintes receitas de bacalhau gratinado.…

O melhor bacalhau gratinado com camarão. Ninguém resiste! — ncultura

Padrão

350x-3.jpeg

Edição: Janeiro de 2018
Encadernação: Capa mole 
Páginas: 
472
Editor: Clube do Autor
ISBN: 9789897244094
Género:
Policial e Thriller
Preço:
18,50€
Classificação: 4/5 estrelas
Comprar em: https://www.wook.pt

Sinopse: Se há livros capazes de suspender a respiração normal do leitor, este é um deles. Tal como a obra anterior de Peter James, Marcada para Morrer é um thriller que promete dar que falar (e noites sem dormir).

Escutou-a a gritar. Um grito aterrador. Depois, surgem os corpos assassinados, uns no passado e outros no presente. No final, a perversidade por trás destes crimes vai surpreendê-lo e arrepiá-lo.

Até que ponto um passado tortuoso é capaz de gerar uma mente monstruosa e vingativa? O que fazer quando o pior mal existe naqueles em quem mais confiamos?

Opinião: Este certamente não foi o primeiro livro que li deste autor. A minha “relação” com o autor começou quando foi lançado o…

Ver o post original 532 mais palavras

Marcada para morrer – Peter James

Citação

3 das melhores receitas de carne assada suculenta e macia — ncultura

Aqui vai encontrar receitas de carne assada suculenta e macia para que possa desfrutar de uma refeição perfeita!  Os portugueses são um povo acolhedor. Gostam de receber pessoas no seu país, mas também em sua casa. Por isso, muitas vezes, aproveitam o fim de semana para organizar um almoço em família ou com amigos. Sabendo…

3 das melhores receitas de carne assada suculenta e macia — ncultura
Padrão

Mousse de framboesa com suspiro| sem glúten

Ingredientes para o suspiro

  • 2 claras
  • 70 gramas de açúcar fino
  • 70 gramas de açúcar em pó
  • 1 c. café de extrato de baunilha

Ingredientes para a mousse

  • 100 gramas de açúcar em pó
  • 350 gramas de framboesas congeladas
  • 1 lima (sumo)
  • 150 gramas de iogurte grego
  • 300 ml natas frescas

Preparação

  1. Para o suspiro, bata as claras com uma batedeira.
  2. Quando começarem a formar espuma, junte o açúcar fino em três vezes, sem parar de bater.
  3. Envolva depois o açúcar em pó até ficar tudo muito bem homogéneo.
  4. Acrescente a baunilha e envolva novamente.
  5. Forre um tabuleiro com papel vegetal e espalhe no mesmo o merengue, com uma espátula, de modo a ficar fino.
  6. Leve ao forno pré-aquecido a 120ºC por cerca de 1h45.
  7. Retire do forno e deixe arrefecer por completo.
  8. Para a mousse, coloque num robot de cozinha o açúcar, as framboesas e o sumo de lima.Triture até ficar em líquido.
  9. Coe o líquido por um passador para uma taça, acrescente o iogurte e mexa bem até ficar homogéneo.
  10. Bata as natas até ficarem firmes e envolva-as no preparado da taça.
  11. Coloque a mousse em copos, intercalando com camadas de suspiro.
  12. Coloque no frio ou sirva de imediato.

Receita disponível na Continente Magazine Nº126 de fevereiro

Retirado do Blogue
https://fazecome.com/

Padrão

O Osso do Meio

Faz parte do universo de O Reino, próximo dos livros Um Homem: Klaus Klump, A Máquina de Joseph Walser, Jerusalém e Aprender a Rezar na Era da Técnica.
Talvez um tom, os livros com tons (cores, agressividades, velocidades) e não géneros literários.
Um tom, este: como flui o mal, a excitação, a passividade, a violência, pelos muitos solos da terra?
Passado num período de pós-guerra, num movimento de ressaca colectiva.
É um livro onde o meio aí está, logo no início, e aí fica até ao final.
Três homens e uma mulher apanhados num ponto das suas violentas vidas (quase) felizes.
A felicidade tem muitas variantes e algumas nada benignas.
Kahnnak, Albert Mulder, Maria Llurbai, Vassliss Rânia, três homens e uma mulher.
Um livro duro e triste. 

Padrão