«O Estrangeiro», de Albert Camus, adaptado à BD por Jacques Ferrandez

Porta-Livros

estrangeiroO Estrangeiro, de Albert Camus, foi adaptado ao formato de banda desenhada por Jacques Ferrandez e o álbum que daí resultou será editado em Portugal, em novembro, pela Arcádia, do grupo Babel.
Ferrandez nasceu, ele próprio em Argel, onde decorre a ação do romance da Camus. Estudou e vive em França, onde construiu a sua carreira, tendo-se especializado na questão argelina. Em 1987 deu início aos Carnets d’Orient, sobre a presença francesa na Argélia, obra que manteve ao longo de vinte anos. Em 2009 adaptou à BD O Hóspede, também de Camus.

Sinopse: «Num dia quente, Meursault apanha o autocarro que o conduz de Argel ao asilo, onde vai ao enterro da mãe. Mais tarde, no velório, aceita um café que lhe oferecem, tem vontade de fumar um cigarro e não chora. Encontra Marie com quem se envolve porque a deseja. Num dia quente, Raymond – um…

Ver o post original 74 mais palavras

Padrão

O Hipnotista – Lars Kepler

Página a Página

O Hipnotista marca a minha estreia nos agora tão na moda “policiais nórdicos” e que bela estreia.

Inicialmente causaram-me alguma estranheza os nomes dos personagens, talvez pelo facto de nunca ter lido um livro Sueco. Também os locais têm nomes impronunciáveis, mas essa pequena estranheza vai diminuindo com o virar das páginas e acabamos por ultrapassar rapidamente esse pequeno pormenor.

Não é um novidade que sou um fã deste género de histórias, adoro um thriller bem contado e este hipnotista é uma dessas histórias. Não segue porém os padrões tradicionais do vulgar policial, embora começe practicamente da mesma forma que os outros: Um assassinato no início, a que se segue uma investigação, cria-se uma história ali á volta e no final uma detenção, ou mesmo na maioria dos casos a morte do vilão.

Em o hipnotista o foco principal acaba por nem ser o assassino, pois ao contrário da maioria dos…

Ver o post original 661 mais palavras

Padrão