Resenha: Circe, Madeline Miller

The reading season

Nasce uma menina na Casa de Hélio, deus do sol e um dos titãs mais poderosos. Circe é uma criança estranha e também não é poderosa como o pai ou linda como a mãe. Solitária, ela se volta para o mundo dos mortais, onde descobre ser uma feiticeira capaz de transformar rivais em monstros e chama a atenção dos deuses do Olimpo.
Ameaçado, Zeus a expulsa para uma ilha deserta, onde Circe aperfeiçoa seu dom, doma animais selvagens e cruza o caminho de muitas figuras famosas na mitologia Grega, incluindo o Minotauro, Dédalo e seu filho Ícaro, Medeia e claro, Odisseu.
Ser uma mulher vivendo sozinha em uma ilha, Circe atrai, sem querer, a fúria de homens e deuses e acaba atraindo um dos olimpianos mais assustadores e vingativos. Para proteger o que mais ama, Circe precisa de toda sua força e escolher, de uma vez por todas, se pertence…

Ver o post original 390 mais palavras

Padrão

Entrevista com Leslie Kern

Redaline

Creditos por recursos de imagem a Mitchel Raphael

Olá pessoal, a editora Oficina Raquel publicou um livro muito bacana que já foi publicado em diversos países e traz temas muito interessantes que valem a pena serem avaliados e discutidos.


Entrevista

Redaline – Leslie, a sociedade sempre limitou ao máximo a liberdade feminina e infelizmente ainda apresenta grandes fragmentos desse preconceito e desigualdade às mulheres, e isso afeta negativamente o desenvolvimento de um ambiente urbano melhor e mais justo para todos. Você acredita que a sociedade moderna seria capaz de transformar essa perspectiva ?

Leslie Kern – Sim, eu acredito que é possível criar uma sociedade – e uma cidade – que não seja baseada na desigualdade de mulheres (ou qualquer outra pessoa). É verdade que as diferenças e desigualdades de gênero têm sido profundamente enraizadas em nossas cidades, desde a forma como projetamos casas e bairros até a forma como…

Ver o post original 617 mais palavras

Padrão

Polvo assado com puré de batata doce

Na Nossa Mesa ❥

[Ou sobre a leveza da boa comida.] Porque há momentos que não precisam de muitas palavras, a receita que fica, em sugestão. ❥

INGREDIENTES

Para o polvo:

• 1 polvo (aproximadamente 1,2 kg)

• 100 ml de azeite + 1 fio de azeite

• 2 cebolas

• 2 dentes de alho

• 1 folha de louro

• 1/2 pimento vermelho

• 1 ramo de salsa

• Sal e pimenta a gosto

• 1 ramo de alecrim

Para o puré:

• 5 batatas doces de polpa laranja

• 1 colher de chá de alho em pó

• Sumo e raspa de uma laranja

• 1 colher de sopa de manteiga

• Sal e pimenta preta a gosto

PREPARAÇÃO

Coza o polvo em água, juntamente com um fio de azeite e uma cebola com casca, durante cerca de 30 minutos. O polvo não deve ficar muito cozido.

Leve…

Ver o post original 183 mais palavras

Padrão

Crítica “Ao Fechar a Porta” de B.A. Paris

Diogo Simões

250xBelo. Credível. Arrepiante. Surreal.

É assim que classifico este thriller de estreia daquela que é já das minhas autoras favoritas. Nunca foi tão fácil de amar uma personagem e, no seu ponto mais extremo, odiar outra. A história é bem construída, com picos de adrenalina psicológica sem igual.

A narrativa, e como não poderia deixar de mencionar, a escrita, é leve, detalhada e muito, muito humana. Sem este último ponto, seria sem dúvida difícil deixarmo-nos apaixonar pela história que nos é contada.

A escrita não é assim arrastada, nem como a forma como a autora escolheu contar a mesma. Ao invés, estamos sempre em contacto com o que é o Presente e o Passado das personagens e do que levou àquela situação. Aliado a este factor, está o facto de que no final da história, é o Passado que nos conta as ações Presentes.

Ver o post original 142 mais palavras

Padrão

Violeta – Isabel Allende

Livros & Saltos

Wook.pt - Violeta

Livro Físico

“Perscrutavam-nos com curiosidade; sabe-se lá o que pensariam dos visitantes da capital, com as suas mãos brancas e os seus casacos finos, inúteis para fazer frente a uma boa chuvada, e a sua forma diferente de falar. O único que parecia humano era Torito, com as manápulas curtidas pelo trabalho”

Não perca os 3 melhores livros de Isabel Allende, 2022
Isabel Allende

Isabel Allende nasceu a 2 de agosto de 1942 em Lima, no Peru. É escritora e jornalista, tendo ficado conhecida com o romance A Casa dos Espíritos, que já foi adaptado ao cinema. Dela já falamos de A Casa dos Espíritos, A Ilha Debaixo do Mar, Longa Pétala de Mar e Mulheres da Minha Alma.

Nesta nova obra conhecemos Violeta Del Valle. Nascida numa família abastada é a mais nova de 6 irmãos e a única rapariga. Quando chega a Grande Depressão a família vê-se em sérias dificuldades e o pai de Violeta acaba por…

Ver o post original 216 mais palavras

Padrão

Este livro não precisa de pretexto para ser lido, mas já agora… “O Gato que Salvava Livros” – obra seleccionada para o Clube de Leituras de Abril

Projecto Cultural e Pedagógico Japão & Portugal

Acaba de ser lançada a versão portuguesa da fantástica obra de Sosuke Natsukawa. Este é o livro escolhido para o nosso próximo Clube de Leituras do Oriente, a realizar no dia 29 de Abril, sexta-feira, das 14h às 15h.

Solicite participação aqui: https://forms.gle/fdA4S8xRis6xMzLT6

Recomendação parental: este livro é adequado a leitura para crianças e jovens, não se verificando a presença de conteúdos desadequados a menores. Pelo estilo de escrita e temas (fala de mortalidade e luto), será melhor adequado a 13 anos ou mais. O tema é a fantasia, mas aborda questões essenciais ao crescimento, verificando-se que o protagonista (um rapaz com cerca de 16 anos) amadurece e fica mais responsável e seguro de si mesmo ao longo do desenvolvimento da estória. Portanto, o livro é altamente recomendado para leitura conjunta entre a criança/jovem e o seu cuidador, convidando a conversas plenas de oportunidade para reflexão e crescimento…

Ver o post original 413 mais palavras

Padrão

“A GAROTA QUE BEBEU A LUA” – UMA FANTASIA SOBRE FAMÍLIA, AMADURECIMENTO E MAGIA

O Barquinho Cultural

A-Garota-que-Bebeu-a-Lua-banner

Era uma vez uma Bruxa muito malvada que anualmente exigia que uma criança recém-nascida de Protetorado fosse dada a ela em sacrifício, os pais da criança escolhida deveriam desistir de seu filho ou filha e dá-lo de bom grado à Bruxa – ou pelo menos sem resistência -, deixando-o em uma clareira na floresta, caso contrário ela lançaria uma terrível maldição no vilarejo.

Ver o post original 659 mais palavras

Padrão